10 Mais: Mocinhas Choronas

E para encerrar mais um “10 Mais” do Tele Dossiê, nada melhor do que falar delas: as heroínas. Quer dizer, de heroínas elas não têm nada! Sofrem as piores tormentas nas mãos do destino algoz, do amado infiel ou do terrível carrasco. Mas não importa. Choramos com elas como se a dor de um filho retirado do braços também fosse nossa.  Leia mais

O Caribe esteve aqui

Composto por um conjunto de ilhas, muitas vezes menores que estados brasileiros, o Caribe carrega uma exuberante beleza natural com praias de areia fofa e clarinha e água cor azul-turquesa. Assim foram as paisagens da novela “Flor do Caribe”, que encantaram os telespectadores nos últimos meses. Ao contrário do que o nome da novela sugere a ação não se passou no Caribe, mas sim no Rio Grande do Norte, Estado que também possui praias deslumbrantes. O autor Walter Negrão e o diretor geral Jayme Monjardim aproveitaram as características do local para desenvolver uma novela praiana e solar, transpondo o universo do Caribe para esse paraíso ficcional. Deu certo. Com uma estética visual apurada a trama alcançou um diferencial que conquistou o público. Leia mais

A novela brasileira entre o dramalhão e a subversão

A novela brasileira é uma novela diferente. De Janete Clair a João Emanuel Carneiro, aos poucos a história da nossa teledramaturgia subverteu o dramalhão melodramático proveniente de Cuba, México e afins, criando personagens e conjunturas dramáticas mais sofisticadas e atraentes.  E aí perguntamos: o que leva alguns renomados autores a esquecer de todo um caminho de enriquecimento criativo para cair em tramas redundantes e ingênuas com o mesmo teor dramático das “enlatadas” mexicanas? É proposital, é um jogo em busca de audiência? Ou uma pura e simples preguiça? Leia mais

“Flor do Caribe”: Merchandising de horário nobre

Faltando pouco menos de um mês para o seu final, Flor do Caribe parece ter caído no gosto do público. Comercialmente “Flor do Caribe” tem todos os ingredientes do bom e velho folhetim. Somam-se a eles a experiência de Walther Negrão no costurar das tramas, na construção dos personagens e nos diálogos todos bem amarrados, sem didatismo ou explicação. Leia mais

A estrela que brilha acima da suástica

O triste prólogo que abriu o primeiro capítulo de “Flor do Caribe”, no qual Samuel (Juca de Oliveira) narrou os horrores da sua infância em plena 2ª Guerra Mundial, pareceu deslocado na estreia da novela, mas era a introdução de uma de suas histórias mais interessantes e talvez a mais original de seu universo de tramas. Dionísio Albuquerque (Sérgio Mamberti), hoje um velho quase inválido, no passado foi como um Caronte que conduziu pessoas para a morte (em nome de um Hades moderno: Hitler), mesmo quando estava sendo regiamente pago para conduzi-las à salvação. Leia mais

“Flor do Caribe”: De boas revelações, essa novela tá cheia

Faltam cerca de dois meses para o ultimo capítulo de “Flor do Caribe”  e a trama parece não ter gasto nem metade do seu arsenal de surpresas. Com fôlego para mais seis meses, se fosse preciso, a trama de Walter Negrão prende, surpreende, emociona e diverte, sem desgastar seu enredo, o público do horário das seis. Mesmo tendo várias revelações bombásticas por semana, o clima de mistério ainda circula vários dos enredos, mantendo a expectativa do telespectador que brinca de detetive para adivinhar o que mais está escondido no passado de Samuel (Juca de Oliveira) e Dionísio (Sérgio Mamberti). Leia mais

Museu literário de grandes novidades

A novela “Mandala”, tema de nosso dossiê da semana foi beber diretamente da fonte do teatro grego quando trouxe para a TV a história de Édipo e Jocasta em plena década de 80. Mas Dias Gomes não foi o único e nem o último a buscar inspiração em grandes histórias clássicas da literatura.  Leia mais

Tradicional, mas recheada de ação, “Flor do Caribe” salva o horário das seis

Quando “Flor do Caribe” fez sua estreia em marco, trazia uma proposta simples, uma possível retomada de textos semelhantes às novelas praianas dos anos 90, como “Tropicaliente”, do mesmo autor, e “Mulheres de Areia” (Ivani Ribeiro, 1993), que fizeram tanto sucesso na época. Era deixar um pouco de lado as ideias inovadoras dos últimos folhetins, como “Lado a Lado” (João Ximenes Braga e Cláudia Lage, 2012) e “A Vida da Gente” (Lícia Manzo, 2011), e beber de uma fonte já conhecida do público para tentar resgatar o horário das 18h, que se encontrava com audiência aquém do desejado. Leia mais

Como não se encantar com “Flor do Caribe”?

Todos concordarão que novela das seis que se preze tem de ser romântica, agradável, leve, e, por que não, com uma pegada cômica. Aliás, toda boa novela das seis sempre tem uma deliciosa história de amor, com uma pitadinha “nada básica” de vilania. E isso tudo, cá entre nós, a novela “Flor do Caribe” tem de sobra! Leia mais

Trilha “Flor do Caribe”: Registro imperdível

Para acertar numa trilha sonora de novela não é muito complicado. Basta que as faixas sejam coerentes com a história que está sendo contada na TV e também com os personagens. Basta saber que música de festa nem sempre pagode, sertanejo universitário ou samba. E, claro, é preciso conhecer muito bem a que público aquela obra se destina. A trilha nacional de “Flor do Caribe” (Walter Negrão, TV Globo, 18h) chegou feito uma flecha no alvo. Leia mais