10 Mais: Mocinhos Covardes

O mocinho, ou o herói da trama, tem duas funções: apoiar a mocinha à superar um obstáculo ou ser o seu objeto de desejo. Certo? Errado! Muitas vezes eles próprios se encarregam de ser o principal antagonista de nossas heroínas. Afinal de contas, um homem que sempre duvida, abandona e engana sua amada, não está muito interessado em ajudar, não é mesmo?

Leia mais

10 Mais: Vilãs Azaradas

Sem elas nada acontece em uma novela. Se a atazanada vilã não for lá incomodar a vida da mocinha, a trama não anda! Por vezes, os seus planos para expulsar uma irmã da cidade, para roubar a filha de uma outra mulher, para acabar com a carreira de um novo trio musical ou até para destruir a imagem de uma empresária emergente vão por água abaixo e essas determinadas mulheres acabam sendo humilhadas em rede nacional. Quem ganha é o público, que se diverte quando vê “o feitiço virar contra o feiticeiro”. Desculpem garotas, mas nem todas nasceram para ser uma Odete Roitman! Leia mais

Muitas vezes Antônio Fagundes

Desde que o Canal VIVA estreou em 2010, alguns atores são presenças constantes no canal, entre eles Antonio Fagundes. O ator pode ser visto nas reprises de “Por Amor”, “Vale Tudo”, “O Rei do Gado”, “Labirinto”, “Renascer”, na segunda versão do seriado “Carga Pesada”, na recém-terminada “Rainha da Sucata” e atualmente na minissérie Mad Maria, além da inédita “Amor à Vida”, na TV Globo. E tamanha é a diferença de um personagem para outro, principalmente nas últimas três citadas, que é impossível não ficar ainda mais apaixonado pelo trabalho de “Fafa”, como é chamado pelos colegas. Leia mais

Cinco elementos apunhalando os corações…

Durante alguns meses reencontramos personagens com corpos estremecidos que já não conseguiam parar, sentimos o som se espalhando na pele fazendo suar numa trama de ritmo quente… bate que bate! Que emoção! Agora, na reta final da reprise do Canal Viva, citaremos aqui no Tele Dossiê cinco elementos que fizeram de “Rainha da Sucata” um grande sucesso. Leia mais

Elegante Sucata

Tendo em seu enredo temas e ambientações populares como lambada, o bairro de Santana e a sucateira que virou milionária e que pena para se adaptar a alta sociedade de São Paulo, a trilha sonora de “Rainha da Sucata” tinha pela frente um desafio complicado: unir canções populares e ainda assim colocar no mercado um disco interessante, que tivesse bom desempenho comercial. O álbum nacional apresentava esse “jogo de cintura”, circulando entre Sidney Magal e Maria Bethânia. Já a trilha internacional optou mesmo foi pelo bom gosto como princípio. Leia mais

Me chama que eu vou – sempre vou! “Rainha da Sucata”, uma novela que resistiu ao tempo.

Sílvio de Abreu é um mestre em tramas complicadas e minuciosas, cheias de mistério e suspense, enormes castelos de cartas que ele sabe como ninguém não só construir, mas também derrubar. “Rainha da Sucata”, entretanto, alia essa construção a um tipo de novelão que ele só fez uma vez. E fez tão bem feito que ela funciona hoje ainda melhor do que funcionou há 20 anos. Leia mais

Os triângulos amorosos em família

Traição pode ser definida como o rompimento da confiança adquirida. Tal qualificação pode ser aplicada a todas as formas de traição, sejam elas financeiras, de Estado, corporativas, de amizade, amorosas, familiares, entre outras. Judas e sua traição a Jesus Cristo talvez seja a história mais conhecida e difundida no mundo, porém a humanidade está repleta de outros casos de quebra de confiança, seja na vida real ou na dramaturgia. Leia mais

Amor e ambição – o yin yang do romance de novela

A ambição pode ser, tanto na vida quanto na ficção, um câncer (com o perdão da horrenda palavra) que ataca o amor de dentro para fora, fazendo um dos amantes sabotar sem querer o sentimento que carrega, ou o combustível para um romance, atraindo os amantes e até fazendo com que eles tenham um objetivo comum. É um ingrediente que serve tanto para o bem quanto para o mal. Leia mais

A loucura em capítulos ou a via crucis da sanidade: os personagens que enlouqueceram

No Tarô, a carta “O Louco” é o único dos arcanos maiores que não é numerada, ou seja, não faz parte da sequência, ela está fora, está deslocada, não tem referência. Talvez isso explique um pouco porque a figura do louco não me agrada em ficção. Sempre acho que ao louco tudo é permitido e nada ele precisa explicar – afinal, é louco –, o que me faz torcer o nariz (o que não quer dizer nada, já que torço o nariz pra muita coisa). Leia mais

Olha o golpe! – A arte de ser um adorável trambiqueiro

Eles enganavam, mentiam, aplicavam golpes, faziam mil peripécias pra se apropriar do que era dos outros. Mas como eram fofos! E o Brasil inteiro torceu por eles, há quase 30 anos. Naná (Fernanda Montenegro) e Gegê (Gianfrancesco Guarnieri) eram dois exímios cambalacheiros, levavam muito jeito pra vida de trambiques e levavam vantagem de tudo. Eram dois autênticos representantes daquilo que se chama de “lei de Gerson”. Leia mais