Muitas vezes Antônio Fagundes

Desde que o Canal VIVA estreou em 2010, alguns atores são presenças constantes no canal, entre eles Antonio Fagundes. O ator pode ser visto nas reprises de “Por Amor”, “Vale Tudo”, “O Rei do Gado”, “Labirinto”, “Renascer”, na segunda versão do seriado “Carga Pesada”, na recém-terminada “Rainha da Sucata” e atualmente na minissérie Mad Maria, além da inédita “Amor à Vida”, na TV Globo. E tamanha é a diferença de um personagem para outro, principalmente nas últimas três citadas, que é impossível não ficar ainda mais apaixonado pelo trabalho de “Fafa”, como é chamado pelos colegas. Leia mais

“E Zé Inocêncio e Maria Santa finalmente se reencontraram.”

Na semana passada o canal Viva apresentou ao seu público o último capítulo de “Renascer”. Novela de grande sucesso e que marcou a volta de Benedito Ruy Barbosa à Globo após o sucesso de “Pantanal” (1990) na Rede Manchete, pode-se dizer que “Renascer” despontou como um novo e único estilo nas tramas das 20h (hoje 21h) da emissora carioca. Leia mais

A novela brasileira entre o dramalhão e a subversão

A novela brasileira é uma novela diferente. De Janete Clair a João Emanuel Carneiro, aos poucos a história da nossa teledramaturgia subverteu o dramalhão melodramático proveniente de Cuba, México e afins, criando personagens e conjunturas dramáticas mais sofisticadas e atraentes.  E aí perguntamos: o que leva alguns renomados autores a esquecer de todo um caminho de enriquecimento criativo para cair em tramas redundantes e ingênuas com o mesmo teor dramático das “enlatadas” mexicanas? É proposital, é um jogo em busca de audiência? Ou uma pura e simples preguiça? Leia mais

A questão da terra nas novelas de Benedito Ruy Barbosa

Prestes a retornar às telas com o remake de “Meu pedacinho de chão”, Benedito Ruy Barbosa é, seguramente, o novelista que mais se debruçou sobre a questão da terra e do poder de quem a possui, em nosso país. Leia mais

Os triângulos amorosos em família

Traição pode ser definida como o rompimento da confiança adquirida. Tal qualificação pode ser aplicada a todas as formas de traição, sejam elas financeiras, de Estado, corporativas, de amizade, amorosas, familiares, entre outras. Judas e sua traição a Jesus Cristo talvez seja a história mais conhecida e difundida no mundo, porém a humanidade está repleta de outros casos de quebra de confiança, seja na vida real ou na dramaturgia. Leia mais

4X Eliane Giardini

A reprise de “Felicidade” (Manoel Carlos, 1991) chegou ao fim no Canal VIVA. Mas até que o último capítulo fosse exibido pudemos ver o talento de Eliane Giardini em quatro produções simultâneas. Além de “Felicidade”, a atriz ainda pode ser vista em outras reprises do canal, “Renascer” (Benedito Ruy Barbosa, 1993) e na minissérie “A Casa das Sete Mulheres” (Maria Adelaide Amaral e Walther Negrão, 2003), e na inédita “Amor à Vida”, na TV Globo. Leia mais

Turcos, Armênios, Sírios ou Libaneses. Vai alguma deles ai, meu senhora?

Salve Jorge” vai chegando ao fim, mas deve deixar entre outras marcas a de “a novela que tratou da cultura turca”. Vamos deixar de ouvir expressões como: gule gule, chilika, entre outras, desta vez bem menos popularizadas do que em outras novelas de Glória Perez. Mas, Mustafá (Antonio Caloni), Zyah (Domingos Montgner), Ayla (Tânia Khalil), Demir (Tiago Abravanel) não são os únicos representantes da cultura turca em nossa Teledramaturgia. Antes deles, outros turcos, armênios, sírios e libaneses já bateram ponto na telinha. Vamos relembrar alguns? Leia mais

Entre lençóis

Estigmatizada como a profissão mais antiga do mundo, a prostituição foi inicialmente explorada pela literatura e se tornou pano de fundo comum no enredo cinematográfico; porém será na teledramaturgia que ela receberá diversas representatividades que vão além das habituais (e dicotômicas) figuras da pecadora arrependida e da libidinosa sem moral. Leia mais